Jazmin, 16. Larry shipper, directioner e casada com o Niall. xx
Cause I love everything about you.
1 2 3 4
THEME FUTURASUICIDA +

caralho, eu durmo exatamente, mas exatamente mesmo, assim com meu namorado kakak <3


Algum pedido de 1S ou Preference?


One Shot - Niall

Eu estava pirando, literalmente. Fazia 1 mês que a [s/n] tinha ido para o Brasil passar as férias com a mãe dela, minha sogra, e eu estava com muita saudade dela. Por mais que sempre viajo para fazer shows, nós nunca tínhamos ficado tanto tempo um longe do outro.

Todo dia ela me ligava chorando dizendo que não aguentava mais ficar longe de mim e que só não voltava para meus braços por causa de sua mãe. E, pensando sozinho no quarto de hotel logo após o último show da turnê que eu tive uma ideia.

Liguei para minha mãe.

- Oi meu amor, - ela atendeu contente o telefone, apesar de ser quase meia noite. – como você está?

- Oi mãe, estou bem, eu acho, e você?

- Estou bem, o que aconteceu?

- [S/n], estou com saudades dela, fora isso estou bem. – suspirei.

- Ah meu amor, não fique assim.

- É, foi por isso que te liguei a essas horas. Quero te pedir uma coisa.

- Diga meu bem.

- Que tal passar uma semana no Brasil?

- O que?

- É mãe, vou ligar para a mãe da [s/n] e pedir se ela gostaria que isso acontecesse. Lá são 09:00 da noite, ela ainda não foi dormir.

- Você é louco, mas por você eu faço tudo e bom, eu não tenho nada de importante essa semana para fazer, então tudo bem por mim.

- Sério? – dei um sorriso enquanto olhava para uma foto nossa que sempre ficava em minha carteira, era uma foto com aquelas câmeras Polaroid, foi a nossa primeira foto juntos. – Vou ligar para ela agora, já te retorno mãe.

- Ok filho.

- Muito obrigada.

- Amo você.

- Também te amo mãe.

Desliguei o telefone e liguei para a mãe dela. Não deu nem 3 toques e o telefone foi atendido.

- Oi querido, tudo bom? – a mãe dela atendeu, o bom é que ela sabia falar inglês.

- Antes de tudo, a [s/n] está ai?

- Não, o que aconteceu? – ela disse parecendo estar preocupada.

- Nada. – ri fraquinho. – Ela não pode saber que eu liguei, ok?

- Ok.

- Oi, fora a saudade imensa que sinto de sua filha, estou bem. – ri novamente e ela também.

- Estou bem.

- Então, quero saber se você deixa eu ser bem mal educado.

- Como assim?

- Quer deixar eu e minha mãe passarmos alguns dias ai?

- Mas é claro! – ela disse empolgada.

- Sério? Ai que bom, você não imagina a saudade que eu to da [s/n].

- E você não imagina a saudade que ela sente de você. Quando vocês pretendem vir?

- Quando você acha melhor?

- Amanhã? – ri.

- Não dá, infelizmente, se eu pudesse iria hoje. Pode ser quinta? – hoje era domingo. No caso segunda por já tinha passado de meia noite.

- Sim.

- Só não conta pra ela, ok? Quero fazer surpresa.

- Ok querido.

- Preciso desligar, estou cansado. Amanhã te ligo e combinamos tudo certo, ok?

- Ok, tenha uma boa noite. Beijo.

- Você também, beijo.

Desliguei o telefone e liguei para a minha mãe avisando que na quarta-feira eu iria para Mullingar e no outro dia partiríamos para o Brasil.

Dormi bem naquela noite, no dia seguinte voltamos para Londres e pude ir para casa. Ajeitei minha mala de tão ansioso que eu estava e eu não parava quieto, nem um segundo.

Liguei para minha sogra e ela me passou o endereço da casa onde ela mora e ela já combinou com um taxista amigo dela que ele iria nos esperar no aeroporto da cidade de Florianópolis, que é a cidade que ela mora, e nos levar até a casa.

Os dias passaram muito devagar na minha opinião, até que o dia chegou e eu já estava dentro do avião. A viagem demorou mas logo estávamos em solo brasileiro.

Eu estava disfarçado para que nenhuma fã me reconhecesse e por sorte, nenhuma reconheceu. Esperamos o taxista com nome Leonardo, o que foi difícil para mim pronunciar o nome dele, ele também falava inglês e tudo foi fácil.

Chegamos na frente da casa da mãe da [s/n] e dei um toque no telefone da mesma, avisando que tinha chegado ali na frente. Como o combinado, apertei a camainha e esperei a minha linda namorada atender a porta, a mãe dela iria pedir para [s/n] abrir pois estaria “ocupada”.

Apertei a campainha mais uma vez e quando vi a maçaneta da porta se mexer e a porta abrir me deu um frio na barriga.

- Oi, no que eu pos.. – quando me viu, ela arregalou os olhos e me abraçou forte, se jogando pra cima de mim. – O que você está fazendo aqui? – ela dizia chorando ainda abraçada em mim.

- Vim te ver ué, quer que eu volte? – disse brincando.

- Não! Não mesmo! Meu Deus, eu não to acreditando. Sério. Niall. – ela se separou de mim e vi que ela estava toda borrada de rímel, passei meu dedão nas manchas para tirá-las.

Sua mãe estava logo atrás dela, e a minha atrás de mim, as duas se cumprimentaram.

- Oi Maura. – [s/n] cumprimentou minha mãe e eu cumprimentei a dela. Depois disso [s/n] voltou a me abraçar, eu a apertei forte chegando a estralar suas costas, como sempre fazia.

Nos beijamos ali na frente da casa enquanto nossas mães levavam as malas para dentro de casa. Fomos ajudar depois do longo beijo. Levei minha mala para o quarto de [s/n] e ajeitei minhas coisas com a ajuda dela, que toda hora me abraçava com carinho.

Passamos a tarde conversando nós quatro, eu matando a saudade da minha namorada e sendo amado por ela. Não nos desgrudamos o dia inteiro, até preparamos o jantar juntos, o que foi incrível.

Chegou a noite e nossas mães foram dormir, pegamos um filme e assistimos na sala, comendo besteiras e tomando refrigerante. Vi que [s/n] estava quase dormindo e logo a cutuquei.

- Hey princesa, não dorme não. – ela esfregou os olhos e eu sorri.

- Mas eu to com sono. – ela resmungou.

- Então vamos lá pra cima meu anjo. – ela abriu os braços, que nem um bebê faz quando quer ser pego no colo. Foi o que eu fiz, a peguei no colo e levei até o quarto, a deixando na cama e depois me ajeitando ao seu lado.

- Não acredito que você está aqui do meu lado agora meu amor. – ela disse baixinho pois os quartos em que nossas mães estavam ficavam ao lado do nosso.

- Eu não aguentei, eu estava pirando sem você, literalmente. Os meninos ficaram reclamando que eu estava diferente.

- Quanto amor por mim, credo. – rimos, e então a beijei.

O beijo foi ficando mais quente e a rapidinha da [s/n] foi logo tirando minha camisa.

- Eita menina. – disse entre o beijo, sorrindo.

Tirei sua blusa, a deixando nua na parte de cima pois ela não usava sutiã para dormir, apertei de leve um de seus seios. Ela subiu em cima de mim, ficando sentada sobre o volume em minhas calças. Ela rebolou em cima de mim enquanto eu apertava agora seus dois seios.

Ela abaixou minha calça e se sentou pro lado, deixando espaço para eu tirar minha calça de moletom que ela tanto gostava em mim, sei lá, ela dizia que me achava bonito com aquela calça. Deitei ela e tirei sua calça deixando-a de calcinha, uma calcinha rosa de bolinhas brancas, sorri ao ver.

- Foi com essa calcinha que você perdeu sua virgindade comigo. – ela sorriu envergonhada.

Tirei a calcinha dela e coloquei a mesma ao lado da cama e beijei [s/n], fui descendo os beijos até enfim chegar em sua vagina, lá eu comecei a lamber ela, movimentando minha língua bem rápido. Ela segurava o lençol da cama e mordia sua próprio lábio para não gemer, aquilo me enlouquecia.

Ela fez eu parar com aquilo, trocando a posição, agora quem iria iria ter que morder o próprio lábio pra não gemer seria eu. [s/n] abaixou minha cueca e me ajudou a tirá-la, ela me masturbou um pouco até que sua boca foi de encontro ao meu membro, lá ela o colocou na boca e começou a me chupar. Eu não consegui aguentar muito tempo e fiz ela parar antes que eu gozasse logo. Não queria aquilo, pelo menos não agora.

Puxei [s/n] pra cima e ela ficou esfregando seu íntimo ao meu, logo ela se levantou um pouco e eu pude colocar meu membro nela. Ela desceu devagarzinho, gemendo bem baixinho, quase num sussurro. Segurei a cintura dela e começamos a nos movimentar. Ela descia e subia num ritmo ora rápido, ora devagar. A cama estava fazendo barulho mas no meio daquele tesão todo, não nos importamos. Ela se deitou um cima de mim, de frente, ficando parada, então que se movimentava era eu, mas eu não tive dó, meus movimentou eram muito rápidos e ela gemia no meu ouvido.

- Niall, meu Deus, eu vou.. – ela gemeu meio alto e pude saber que ela tinha atingido o orgasmo, dei umas 4 estocadas fortes e gozei dentro dela (o que não era problema pois ela tomava anticoncepcional). Continuei com meu membro dentro dela enquanto nos beijávamos.

- Isso foi incrível. – disse eu. – Você é incrível na verdade.

- Pode apostar que você é mais. – ela disse beijando minha testa e saindo de cima de mim.

Nos limpamos com um pano que tinha em minha mala e, ainda nus, nos abraçamos na cama, caindo no sono.

Acordei no outro dia e pude ver [s/n] ainda dormindo ao meu lado. Me sentei na cama e fiquei uns 5 minutos apenas olhando para ela, pensando no quão perfeita ela era para mim e o quão bom fora a noite passada.

- Bom dia amor. – disse ao ver que ela abria os olhos lentamente.

- Bom dia amor. – ela sorriu, me fazendo sorrir também.

Ficamos agarradinhos na cama mais um pouco, até que levantamos e nos arrumamos.

Fomos na cozinha e nossas mães estavam lá.

- Bom dia. – dissemos juntos à elas.

- Bom dia queridos. – minha mãe disse.

- Bom dia. – a mãe dela disse também.

Comemos algo e nos sentamos no pátio para conversar novamente sobre coisas aleatórias. No meio da conversa, eis que uma pergunta surgiu.

- Como foi a noite de vocês? – a mãe de [s/n] pergunta.

- Hum, boa. – [s/n] sorriu.

- Boa até de mais, não acha? – a mãe dela continuou. Eu olhei para [s/n], que estava sentada no meu colo.

- Como assim? – ela perguntou.

- É, da próxima vez vê se desencostem a cama da parede. – agora foi a vez da minha mãe falar.

- Quando há movimento na cama e ela está encostada na parede, há barulho. Sabiam? – a mãe dela disse e as duas mães começaram a rir.

[S/n] ficou vermelha e eu só ria. Elas não paravam de incomodar nós.

- Vocês querem dormir na sala hoje? Lá o sofá não é encostado na parede.

- Mas só cuidado com os gemidos.

E elas continuaram por toda a semana que passou, mas nos outros dias nós tomamos cuidado para não fazer barulho, mas mesmo assim elas ficaram rindo da nossa cara.

Tudo o que eu posso dizer é que foi uma semana incrível.


indiretas: #one shot  indiretas: #1sniall  indiretas: #1shot  indiretas: #hotniall  
Há 3 semanas . 4 notas . reblog me
Anônimo asked me: Matam a saudade tipo: fazem sexo e as mães deles ficam zoando eles por causa do barulho

aaaaaaaata, entendi kakak vou começar a fazer (:


Anônimo asked me: Jaz, faz um 1s do Niall q ele e a mãe dele vão visitar a S/n e a mãe dela no Brasil dps de um tempão sem eles se verem e eles matam a saudade e no dia seguinte as mães deles ficam zoando eles?

não entendi muuuuito bem mas eu faço sim kakkak